terça-feira, 26 de abril de 2016

Rosana Selicani... uma história e tanto...

Bom dia pessoal!!! 


Tivemos alguns problemas técnicos nas últimas semanas, mas estamos de volta para dar aquela “Cornettada” básica... E retomamos em grande estilo, com uma daquelas histórias que realmente dariam um bom livro e, sinto-vos dizer, esta história não caberá em apenas um post... ainda bem!!! Hehehe


Quando vou entrevistar alguém deixo bem claro, não só pelas afirmações, mas também pela minha face avermelhada e ainda a falta de traquejo, que não sou jornalista e muito menos escritor, mas ao me deparar com pessoas como Rosana Selicani, tenho a certeza que o projeto PodCornettá está no caminho certo. Conversar com uma pessoas como ela  é ter uma oportunidade de mergulharmos, literalmente, num universo totalmente novo, universo onde os percalços da vida são combustíveis de constante motivação e superação. 

Nascida em 16 de agosto de 1966, na cidade de Paraguaçu-MG, Rosana Aparecida Selicani Magalhães foi criada aos moldes antigos, sofreu muito com a rigidez e severidade da educação que seus pais lhe deram. Veio para São José dos Campos quando tinha apenas dois anos de idade e como todo bom mineiro que vem para estas bandas, morou no bairro de Santana, na Avenida Rui Barbosa. Anos mais tarde, seu pai comprou um terreno no bairro do Parque Industrial e sua casa foi a primeira da rua a ser construída, havia somente sua casa e a escola pública Maria de Melo, que naquele tempo ainda cheirava tinta fresca. Teve uma infância simples mas nutrida sempre por bons princípios de ética e boa educação. 

Foto: Rosana Selicani, após acidente
Fonte: Acervo de Rosana Selicani
Até aí tudo bem, esta poderia ser mais uma daquelas histórias nas quais meninas de famílias simples crescem, casam-se, constituem uma família e alcançam seus objetivos profissionais. Mas a vida de Rosana Selicani começou a mudar a partir do dia 7 de dezembro de 1991, dia do seu fatídico acidente de moto. Não foi um acidente comum, como muitos que vemos por aí, não foi mesmo. Ela teve a parte inferior da sua perna arrancada pelo veículo conduzido por um homem alcoolizado que veio em sua direção e o fato mais arrepiante é que ela estava grávida de 7 meses de seu primogênito.

Casada há apenas seis meses, ela e o marido, que era muito cauteloso ao conduzir a moto, retornavam uma confraternização, e esta seria a última volta na moto, que era o único meio de transporte que tinham e já estava vendida para que pudessem da entrada na sua casa própria e assim sair dos fundos da casa de seus pais. 

Devido as circunstâncias do acidente acabou ficando dois dias da UTI e as pessoas que iam visitá-la diziam que ela não teria condições de gerar seu filho, mas ela tinha uma força incrível dentro de si que lhe dava a certeza que ele nasceria forte e com saúde. Assim aconteceu, Victor Selicani nasceu de parto normal com 3,85 kg.

O acidente representou sua nova data de nascimento, a partir dali resolveu mudar positivamente... achava que não estava normal, se sentia motivada demais a fazer e viver experiencias ate então adormecidas... 

Palavras como superação, motivação, coragem e dedicação são ínfimas para descrever esta história de vida, por isso... vamos aguardar a outra parte desta emocionante história nas próximas postagens... hehehe

Grande Abraço,

Eduardo Caetano